Bairrismo?! Acho que não…


Ao se falar de alimento mineiro, é impossível não passar pelos queijos de minas.

Já comentei sobre os queijos em um post anterior (veja aqui), mas achei que valia mais uma homenagem! 🙂

As informações foram retiradas do IPHAM. No site, está disponível um arquivo com explicação mais detalhada.

Modo artesanal de fazer Queijo de Minas, nas regiões do Serro e das serras da Canastra e do Salitre.
A produção artesanal do queijo de leite cru nas regiões serranas de Minas Gerais representa até hoje uma alternativa bem sucedida de conservação e aproveitamento da produção leiteira regional, em áreas cuja geografia limita o escoamento dessa produção. O modo artesanal de fazer queijo constitui um conhecimento tradicional e um traço marcante da identidade cultural dessas regiões.

Leia abaixo o texto completo sobre o Modo Artesanal de fazer Queijo de Minas e a Certidão de Registro do Bem de Natureza Imaterial.

  1. Pequeno Museu do Queijo no Porão da Fazenda Engenho de Serra, no Serro
  2. Adição do pingo, fermento natural que contém todo um acervo de bactérias láticas específicas
  3. Nas região da serra da Canastra e no Alto Paranaíba, usa-se tecido para desoragem
  4. Cerca de 8 horas após a primeira salga, vira-se o queijo e faz-se a segunda salga
  5. O processo de maturação exige cuidados especiais como a viragem diária e a higienização
  6. O processo da salga
Anúncios

Sobre ravibellardi

English EcoDesign Master student in PoliTo - Politecnico di Torino - Turin, Italy. In a double-degree agreement between PoliTo and the University of Minas Gerais, Brazil. In Brazil, took part in projects like "Design e integração competitiva do território - Estrada Real". This project is a government initiative in order to use the Design approach in order to bring value regarding specific aspects of the State of Minas Gerais in Brazil. The territory context is the Estrada Real. Also worked in the University of Minas Gerais' Research Center of Theory, Culture and Design in projects related to the use of Design in cultural aspects of the State of Minas Gerais aiming to enhance products related to the Food Sector. Portugês Graduando no curso Master em EcoDesign pelo Politécnico de Turim, Itália (Polito). Bolsista dentro do acordo de dupla titulação entre a Universidade do Estado de Minas Gerais e o Politecnico di Torino com apoio da FAPEMIG. Atuou como bolsista do Projeto "Design e integração competitiva do território - Estrada Real", projeto do Centro Minas Design em parceria com o Polito. Ravi Bellardi também é atuante no desenvolvimento do projeto Estudo de Aspectos Culturais de Minas Gerais Visando à Valorização de Produtos Relacionados ao Setor Alimentício Através do Design com financiamento da FAPEMIG e apoio da UEMG. Ravi Bellardi desenvolve trabalhos tanto de caráter acadêmico, quanto de caráter de extensão com a orientação da Profa. Dra. Lia Krucken juntamente ao Centro de Teoria, Pesquisa & Cultura em Design da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais.
Esta entrada foi publicada em Queijo, Regional, sustentabilidade com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Bairrismo?! Acho que não…

  1. Soninha diz:

    É muito bom o queijo de minas! Nao faça preconceito com essa gostosura da terra lá de sul de minas!

  2. Usually I don’t read article on blogs, but I would like to say that this write-up very forced me to try and do so! Your writing style has been surprised me. Thanks, quite nice article.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s