E quem disse que marmita não é fashion?

Via Jefferson Kulig

Todo japonês que se preze tem seu bento bako (caixa da marmita ou lancheira) e seu hashi (este, não se empresta para ninguém). Do pedreiro ao executivo; das crianças aos professores, todos sempre que podem, carregam seu bento(marmita) na lancheira para o almoço.

E a passeio ou a viagem, prepara-se o bento também, ou então compra-se nas estações de trem o ekiben (marmita de estação). Este costume é uma tradição de longa data que tornou-se comum a partir do período da Era Edo (1603 – 1867), quando os japoneses tomaram gosto pelas viagens e pelos passeios.  A idéia era (ainda é) unir dois prazeres: a contemplação da paisagem enquanto se saboreava o lanche.

Aqui, o cardápio básico segue com o onigiri (bolinho de arroz), picles e omelete com alguma variação de carne e legume, mas existem muitasoutras opcões, cores e formatos. Não é só um hábito cultural, mas também um hábito saudável e econômico. O bento bako pode ser encontrado em diferentes materiais: madeira, metal, plástico e também um pouco mais fashion. No ano passado, a Puma desenvolveu junto com o estúdio de design Maruwakaya um bento bako (foto do post) que é coqueluche para os gulosos de plantão.

Anúncios

Sobre ravibellardi

English EcoDesign Master student in PoliTo - Politecnico di Torino - Turin, Italy. In a double-degree agreement between PoliTo and the University of Minas Gerais, Brazil. In Brazil, took part in projects like "Design e integração competitiva do território - Estrada Real". This project is a government initiative in order to use the Design approach in order to bring value regarding specific aspects of the State of Minas Gerais in Brazil. The territory context is the Estrada Real. Also worked in the University of Minas Gerais' Research Center of Theory, Culture and Design in projects related to the use of Design in cultural aspects of the State of Minas Gerais aiming to enhance products related to the Food Sector. Portugês Graduando no curso Master em EcoDesign pelo Politécnico de Turim, Itália (Polito). Bolsista dentro do acordo de dupla titulação entre a Universidade do Estado de Minas Gerais e o Politecnico di Torino com apoio da FAPEMIG. Atuou como bolsista do Projeto "Design e integração competitiva do território - Estrada Real", projeto do Centro Minas Design em parceria com o Polito. Ravi Bellardi também é atuante no desenvolvimento do projeto Estudo de Aspectos Culturais de Minas Gerais Visando à Valorização de Produtos Relacionados ao Setor Alimentício Através do Design com financiamento da FAPEMIG e apoio da UEMG. Ravi Bellardi desenvolve trabalhos tanto de caráter acadêmico, quanto de caráter de extensão com a orientação da Profa. Dra. Lia Krucken juntamente ao Centro de Teoria, Pesquisa & Cultura em Design da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais.
Esta entrada foi publicada em Marmita, Regional com as etiquetas , , , , , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a E quem disse que marmita não é fashion?

  1. Pingback: 丸若屋 » 宮本卯之助商店さんのblogより。

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s